Dinâmica: O OUTRO LADO

Objetivos:
Ver o objetivo comum do grupo. Processo de comunhão e união. Análise da realidade.

Desenvolvimento:
(não dizer o objetivo da dinâmica).

O coordenador pede a todos que se coloquem no fundo da sala ocupando toda parede. Pede silêncio absoluto, muita atenção para a ordem que vai ser dada e que sejam rigorosamente fieis a ela. Deve manter silêncio durante a dinâmica.

A ordem é a seguinte: Vocês deverão procurar como grupo, atingir o outro lado da sala, da forma mais rápida possível e mais eficiente.

Repete-se a ordem várias vezes.

O coordenador dirá que a ordem não foi cumprida, pede ao grupo que recomece. Repita a ordem várias vezes, pedindo que haja silêncio.

NOTA: É bom que haja obstáculos pelo meio da sala (cadeiras…) dificultando a passagem. Ele considerará a tarefa cumprida quando julgar que o grupo se aproximou do ideal alcançando o outro lado unido, obedecendo ao ritmo um dos outros, tendo incluindo todos na travessia.

Em seguida fazer comentários sobre tudo que observaram e sentiram:

– Como cada um se sentiu?

– Quem se sentiu esmagado e desrespeitado?

– Quem ais correu ou empurrou?

– De que forma as lideranças foram se manifestando???

– Houve desistência no meio do caminho?

– Surgiram animadores???

Palavra de Deus:
1 Cor. 12,12-27 Sl 133

Dinâmica: QUEM SOU EU???

Objetivo:
Conhecimento Pessoal

Material:
Papel e caneta

Desenvolvimento:
1. Refletir individualmente:
– A vida merece ser vivida?
– Somente a vivem os que lutam, os que querem ser alguém?
2. Escrever numa folha
– Quem sou eu? (enumerar seus valores, qualidades e defeitos).
– O que eu quero ser? (escrever o que quer com a vida, os seus objetivos e ilusões).
– Como atuo para chegar no que quero?
3. Terminada a reflexão pessoal, formar grupos para partilhar.
4. Avaliação:
– Como cada um se sentiu ao se comunicar?
– E depois da dinâmica?

Palavra de Deus:
Gn 1,26-31  Sl 139

Dinâmica: MEUS SENTIMENTOS

Objetivo:
Apresentação e entrosamento

Material:
Papel, lápis de cor.

Desenvolvimento:
Cada um deve retratar num desenho os sentimentos, as perspectivas que têm.
Dar um tempo para este trabalho individual que deve ser feito em silêncio, sem nenhuma comunicação.

Num segundo momento as pessoas se reúnem em subgrupos e se apresentam dizendo o nome, de onde vem, mostrando o seu desenho explicado-o.

O grupo escolhe um dos desenhos para ser o seu símbolo apresentando-o e justificando.

Pode-se também fazer um grupão onde cada um apresenta mostrando e comentando o seu desenho.

Palavra de Deus:
Fl. 1,3-11 SL 6.

Você sabia?

Um grupo de rapazes morreram por terem zombado de um servo de Deus, chamando-o de careca… (II Reis 2: 23 e 24)